Body // Talk

In recent years the discussion regarding women's position in society has become one of the most important topics of the century. I fully agree with the phrase that a Simone de Beauvoir once said: "The point is not for women simply to take power out of men's hands, since that would not change anything about the world. It's a question of precisely destroying that notion of power. " Since this is a movement that depends on the contribution of both sexes, I am of the opinion that feminism should be called, instead, "humanism." 

Although I feel that we are moving in the right direction, I do feel that feminism is sometimes practiced in the wrong way, evoking a certain hatred of the male sex and often used as self-promotion, or as a way of attracting attention to the individual in question instead of the cause in general. 

Regardless of how feminism is practiced it is still absolutely necessary! I live in London, a liberal and multicultural city, and I often feel that being a woman puts me in disadvantageous situations, therefore I can't even imagine what is like to be a woman in a more conservative country. 

But what I really wanted to talk to you about is the relationship women have with their bodies. I find myself often deliberating between what's right or wrong when it comes to how the woman's body is portrayed. I grew up in a house where nudity was never addressed as shameful. I never felt awkward to see my parents or brother and sister naked. Not that we were all constantly naked walking around as if we belonged to a hippie community, it was nothing like that! But I was never told that my body or those around me, regardless of size, was a cause for embarrassment.

This Christmas I grabbed one of my parents' photo albums from the 80's and, although I've seen it dozens of times over the years, this time I noticed that there are a lot of photographs of my mother topless, or in a bikini ... beautiful, free and confident as she was and is! I had never noticed this because, until I moved to England where the relationship that one has with their own body is quite different from the Portuguese approach to this matter, the photographs did not seem to represent anything imoral. Life on the seafront in the Algarve is just like that, naked in clothes and prejudices. 

Saying that I often deliberate on how to present myself, am I portraying the right image of me? Is this picture too sexy? Are people going to think that that's all I'm about and that I have no substance? And in fact this leads me to my initial argument, these issues are a consequence of the idea that women who dare to explore their sexuality and who have close and healthy relationships to their own bodies are somehow promiscuous. On the other hand, I think of my mother's film photos in that album, and I feel it would be ridiculous to think that it contains some sort of promiscuity. For me they are only a celebration of who she is, of her youth, and of the journey that the body given her at birth has gone through, including the nine-month period in which I came to be. Perhaps analogue photography allows us to explore this kind of relationship that we have with our bodies in a more protected way since they are not subject to opinion of thousands of people.

Although I advocate a greater celebration of bodies, I want to make it clear that I do not support the constant sharing of just slender figures... in fact I think that that has devastating consequences for society. Aren't we all a bit tired of perfect feeds anyway? It has become increasingly relevant and interesting to me to follow people who present themselves as they are. An example of this is Emma Hoareau who despite being a beauty blogger often photographs herself, you can see her self portraits here. To me, her photographs are extremely elegant, and prove that confidence is our best attribute!

Nos últimos anos a discussão sobre a posição da mulher na sociedade tem vindo a torna-se um dos tópicos mais importantes do século. Eu concordo plenamente com a frase que Simone de Beauvoir uma vez disse: “The point is not for women simply to take power out of men's hands, since that wouldn't change anything about the world. It's a question precisely of destroying that notion of power”. Uma vez que esta é uma luta que depende da contribuição de ambos os sexos, sou da opinião que o feminismo deveria chamar-se, ao invés,“humanismo”.

Apesar de sentir que estamos a caminhar na direção certa sinto que o feminismo é, por vezes, praticado de forma errada, evocando um certo ódio em relação ao sexo masculino e muitas vezes utilizado como auto promoção, ou como uma forma de atrair atenção para o individo(a) em questão em vez da causa em geral.

Independentemente da forma como é praticado o feminismo é absolutamente necessário! Se mesmo vivendo em Londres, uma cidade tão liberal e multicultural, continuo a sentir que ser mulher me põe muitas vezes em situações desvantajosas então nem quero imaginar como será ser mulher em culturas mais conservadoras.

Mas do que eu queria mesmo falar convosco é da relação que a mulher tem para com o seu corpo. Eu própria me debato muitas vezes sobre o que está certo ou não. Cresci numa casa onde a nudez nunca foi abordada como algo vergonhoso. Nunca senti constrangimento em ver os meus pais or irmãos nus. Não que andássemos todos nus pela casa o tempo inteiro como se pertencêssemos a uma comunidade de hippies, mas nunca me foi transmitida a ideia de que o meu corpo ou o dos que me rodeiam, independentemente do seu tamanho, é motivo para constrangimento.

Ainda neste Natal peguei num álbum de fotografias dos meus pais nos anos 80 e, apesar de já o ter visto dezenas de vezes, só desta vez é que reparei que muitas das fotografias nele presente são da minha mãe em topless, ou em biquini...linda, livre e confiante como ela era e é! Nunca tinha reparado nesse facto porque, até me ter mudado para Inglaterra onde a relação que o indevido(a) tem para com o seu corpo é bastante diferente da que se tem em Portugal, as fotografias não me pareciam ter nada de errado. E não têm, a vida à beira mar no Algarve é assim mesmo, nua de roupa e de preconceitos.

Isto para dizer que muitas vezes dou por mim a deliberar sobre a forma como me apresento, será que estou a postar fotografias demasiado sensuais? Será que me estou a compor a melhor imagem de mim mesma? E na verdade isto leva-me ao meu argumento inicial, estes questões são consequência da ideia que a mulher que ousa explorar a sua sexualidade e que tem uma relação próxima e saudável para com o seu próprio corpo é de algum modo promiscua. Por outro lado penso nas fotografias analógicas da minha mãe naquele álbum e sinto que seria ridículo pensar que contêm algum tipo de promiscuidade. Para mim são apenas uma celebração de quem ela é, da sua juventude e da viagem que o corpo que lhe foi dado à nascença percorreu, incluindo o período de nove meses no qual eu ganhei vida dentro dele. Talvez as fotografias analógicas nos permitissem explorar este tipo de relação que temos com o nosso corpo de uma forma mais protegida uma vez que não estão subjectiveis à opinião de milhares de pessoas.

Ainda que defenda uma maior celebração dos corpos, quero deixar claro que não apoio a constante partilha de figuras esguias apenas...aliás julgo que isso tenha consequências devastadoras para a sociedade. Não estamos já fartos de ver feeds perfeitos de qualquer forma? Para mim tem se tornado cada vez mais relevante e interessante seguir pessoas que se apresentam tal como são. Um exemplo disso é a Emma Hoareau que apesar de beauty blogger se fotografa muitas vezes a si mesma, podem ver os seus auto retratos aqui. Para mim estas fotografias são de uma elegância extrema, e provam que a confiança é o nosso melhor atributo!


 ueue
0A90B43D-0DBA-49E3-BF56-544D54D46D07.JPG
It isn’t about making women stronger. Women are already strong. It’s about changing the way the world perceives that strength
— G.D Anderson
4A949CA7-DDAB-434C-8065-C2F6EF6231EC.jpg
040D8DDC-9087-4BB7-A0DE-EA16B158C065.jpg
Shoutout to all the girls out there trying to love themselves in a world that’s constantly telling them not to.
— Unknown
40BA411A-ACC8-4260-A099-A29A33A3C22B.jpg
IMG_7192.JPG
We are all born
So beautiful
The greatest tragedy is
Being convinced we are not
— Rupi Kaur

* Pictures by Alex Jackson. These are my own images and they may not be used for commercial purposes without prior consent. In case of a repost please credit me. 


CHECK OUT MY WANTS & NEEDS SECTION